Roteiro: Cachoeiras de Itatiaia

Atualizado: 9 de jun.

Itatiaia é conhecida por ser a casa do primeiro parque nacional do Brasil, lugar de cachoeiras de beleza única em meio à Mata Atlântica e que atrai amantes do ecoturismo vindos dos quatro cantos do país e até do exterior. O que nem todo mundo sabe é que não é somente dentro do PNI que podemos tomar um refrescante banho de rio em Itatiaia. Nesse roteiro você vai descobrir lugares que são verdadeiros presentes do Rio Campo Belo e que podem ser acessados gratuitamente e pedalando! Confira!

 

Antes de mais nada é importante deixar claro que não necessariamente você precisa conhecer todos os locais apresentados nesse roteiro em uma única oportunidade, pelo contrário, talvez seja até mais interessante você dedicar um pedal diferente a cada um deles para poder aproveitá-los ao máximo, sem pressa.

Nosso ponto de partida sugerido dessa vez é a Graal Itatiaia, que fica na Rodovia Presidente Dutra, km316, sentido São Paulo. Esse inclusive é o lugar ideal para deixar o carro estacionado e seguir pedalando, caso você esteja vindo de mais longe ou simplesmente não queira pedalar no acostamento.

Graal Itatiaia

A partir da Graal, você deve pegar a marginal da rodovia, seguindo as placas que indicam a direção para o Parque Nacional do Itatiaia. Você irá perder a Dutra de vista ao virar à direita na primeira rotatória, acompanhar o canteiro central até virar à esquerda e seguir até uma outra rotatória, já na Rua Wanderbilt Duarte de Barros, também conhecida como Estrada Parque, que você deverá subir como quem segue em direção à portaria da parte baixa do parque.

Estrada/Avenida que segue em direção ao PNI

Outro possível "ponto de partida" para esse pedal é a Rodoviária de Itatiaia, especialmente se você estiver vindo do centro de Itatiaia ou do distrito de Engenheiro Passos. A partir desse ponto tudo que você precisa fazer é pegar a rua que começa imediatamente à esquerda de quem está olhando de frente para a rodoviária, essa já é a "estrada" que leva até a portaria da parte baixa do parque.

Rodoviária de Itatiaia

Depois de pedalar por menos de um quilômetro você já irá ver seu primeiro ponto de interesse, o letreiro "Eu Amo Itatiaia", próximo de um viaduto sobre a linha férrea, à sua direita. Se você é daqueles que gosta de registrar cada detalhe, não deixe essa foto passar.

A próxima boa foto pode estar a apenas alguns metros adiante, nem precisa pedalar, basta empurrar a bike até ficar em cima do viaduto, de onde poderá ver vagões de trem abandonados que podem ser um prato cheio para quem é criativo ao pedalar.

Vagões abandonados

Seguindo em frente por cerca de 650m, à sua direita você irá ver uma porteira com um portão lateral para pedestres que pode ser aberto para ter acesso à primeira opção de lugar para banho deste roteiro, o ribeirão conhecido como "Paredão". Não esqueça de deixar o portão encostado depois que passar.

Portão que dá acesso ao Paredão
Não esqueça de encostar o portão depois de passar

Passando o portão, você irá pedalar por pouco mais de 500 metros até avistar vários caminhos possíveis, ponto no qual você deve manter-se à esquerda para chegar até um outro portão que dá acesso ao rio. Se você decidir fazer este pedal tendo chovido recentemente, prepare-se para amaçar muito barro!

Dê preferência para ir em períodos sem chuva
Momento de virar à esquerda

Chegando no portão, se estiver encostado você pode passar pela lateral para acessar os metros finais antes do rio, onde também há um estabelecimento comercial, que caso esteja aberto, pode te servir bebidas e petiscos.

Portão antes dos metros finais
Pequena vendinha do lado direito

Em poucos metros você irá entender porque esse lugar se chama Paredão. Trata-se de um ponto onde o rio faz uma curva e que possui na outra margem há um grande paredão que compõe um cenário muito bonito. Não há correnteza e a água é rasa, tornando o lugar ideal para se refrescar.

Chegada à beira do rio
Um lugar diferenciado
Nara mau para uma primeira parada em.

De volta ao asfalto, você precisará pedalar por apenas mais 750 metros até avistar o Hotel Conora à sua direita, onde alguns metros depois existe uma pequena trilha que te leva até a beira do rio. Esse ribeirão é conhecido como Conora e também pode ser um bom local para se refrescar, desde que você dê preferência por visitá-lo bem cedo, pois é um lugar bastante concorrido, inclusive chamado de "praia de Itatiaia", tamanha a concentração de banhistas depois de certa hora em finais de semana e feriados.

Ribeirão Conora
Um lugar também muito bonito
Conora visto da estrada

Vale mencionar que o próprio Hotel Conora possui um acesso exclusivo a uma parte privilegiada do rio, que você pode aproveitar pagando o dayuse do lugar, confira o vídeo abaixo para ver se vale a pena:

Continuando em frente, subindo como quem está indo para o Parque Nacional, você irá atravessar uma ponte sobre o Rio Campo Belo e começar a margeá-lo do outro lado. A partir desse ponto as subidas são um pouco mais íngremes.

Ponte sobre o Rio Campo Belo

Um quilômetro depois de atravessar a ponte você verá do lado direito um campo de futebol, onde na calçada há uma bica d'água que você pode usar para reabastecer seu estoque, aproveite a oportunidade.

Sempre bom ter água pelo caminho

Loco após a bica há uma bifurcação, onde você deve se manter à esquerda, saindo da estrada principal, para seguir em direção à sua próxima parada, o lugar conhecido como Paraíso Secreto.

Saindo à esquerda para o Paraíso Secreto

Poucos metros depois você irá passar por uma charmosa ponte de maneira que "esconde" um bom ponto para banho logo abaixo da mesma, que pode ser acessado por um caminho do lado esquerdo de quem está atravessando, logo onde a ponte termina, como mostra a foto abaixo:

De volta para o outro lado do Rio Campo Belo
Ciclistas aglomerados onde está o acesso ao rio.

Uma vez lá embaixo você verá um cenário formado pela ponte, pelo rio e pelas pedras, uma vista que vale a pena conferir, mesmo que você não pretenda entrar na água exatamente nesse ponto, que também é muito bom pra isso.

Acesso ao rio embaixo da ponte de madeira
Cantinho convidativo para contemplação e reflexão

Continuando na estrada, não irá demorar até você reparar em uma floresta de bambus do seu lado direito, às margens do rio, esse bambuzal possui ao menos 3 acessos para o rio, sendo o primeiro deles logo no início. Você irá identificá-lo pela presença de uma espécie de portãozinho improvisado com dois bambus maiores fincados no chão. A foto abaixo mostra bem como é:

O caminho até o rio é curto por entre os bambus e chegando na margem você terá mais uma vez ótimas opções de locais para um mergulho, sem falar na belíssima paisagem por todos os lados.

Caminho até o rio por entre o bambuzal
Cuidado ao andar pelas pedras com a sapatilha
Lugares que a bike nos leva...

Seguindo em frente pela estrada você irá ver mais uma ponte, onde logo depois está a última das saídas pelo bambuzal, passando por um pequeno portão, mais um acesso que vale a pena conferir. Vale ressaltar que a vantagem de você conhecer todas as saídas para o rio é que em dias de maior movimento você poderá escolher aquela que estiver menos cheia de gente e conseguir tomar um banho mais tranquilo.

Última saída pelo bambuzal
A bike também aproveita para renovar as fotos :D
Cada lugar com sua beleza única!

Continuando, agora com inclinações um pouco mais agressivas, em breve você irá ver um ponto da estrada de onde se tem uma bela visão do rio a partir de um ponto mais alto, há um banco de concreto na "calçada" que serve de referência para não passar direto. Nesse local também há um acesso ao rio descendo por escadas improvisadas. É possível ir caminhando com os pés na água pela lateral do rio até chegar a bons pontos para um mergulho.

Banco que marcar mais um ponto de acesso ao rio
Que vista!
Em busca do lugar perfeito
Aí sim!

Agora é hora de subir até a atração principal desse roteiro, o verdadeiro Paraíso Perdido. Isso mesmo, se pra você ir até o Paraíso Perdido era sinônimo de ir até alguns dos locais que já descrevemos até aqui, acredito que vai ficar surpreso ao saber que ainda não conhece o lugar mais mágico dessa estrada. O acesso dessa vez fica de fato escondido, passando por baixo da última ponte de madeira da estrada. É preciso de duas a três pessoas para facilitar a passagem da bike pela pequena abertura embaixo da cerca que dá acesso à trilha. Não se preocupe, apesar do que pode parecer, você não estará fazendo nada irregular kkkk

Passando a bike por baixo da cerca da ponte

A trilha que você terá que fazer por entre a mata até chegar à cachoeira tem cerca de 200 metros, mas não se anime achando que vai poder ir pedalando, pois pelo contrário, será difícil levar a bike mesmo empurrando devido à quantidade de pedras, troncos e desníveis. Nossa recomendação é que leve a magrela pelo menos até um ponto de onde ela não possa mais ser vista da estrada e então siga a pé até a cachoeira. Vale mencionar também que a trilha em si é uma atração a parte, tamanha beleza, com você pode ver no vídeo abaixo:

Ao chegar no final da trilha, como pode ver no vídeo, você tem a opção de seguir à esquerda para ter uma visão panorâmica do poção, ou pela direita para ter acesso à agua. O lugar é maravilhoso, como aqueles que encontramos depois da portaria do Parque Nacional do Itatiaia.

Visão de cima do verdadeiro Paraíso Perdido
De fato, um Paraíso Perdido!

Se você optar por continuar subindo a estrada depois de voltar da cachoeira, irá passar por algumas propriedades particulares que oferecem laser pago aos turistas, com destaque para o Rancho São Carlos, um lugar magnífico com gastronomia, trilhas e piscinas naturais de cair o queixo, vale a pena entrar em contato e programar uma visita ou hospedagem. Veja as fotos abaixo tiradas nesse lugar que fica poucos metros depois da ponte que marca o início da trilha para o verdadeiro Paraíso Perdido:

Rancho São Carlos
Rancho São Carlos

Já que estamos falando da estrada do Paraíso Perdido, não posso deixar de mencionar que ela termina com uma subida bastante íngreme, que pode ser um atrativo em particular para aqueles que buscam um desafio físico. Ao final, um portão indicará o ponto mais distante que se pode chegar por esse caminho, depois de pouco menos de 7 quilômetros desde a Dutra.

E aí, vai encarar?!
Vai uma subida de mais de 20 graus de inclinação aí?
Fim do caminho

Pra encerrar, vou deixar com vocês duas sugestões de vídeos que ajudam a entender melhor como é todo o caminho descrito nesse roteiro. O primeiro é uma edição incrível que inclui belas tomadas aéreas capturadas por um drone, mostrando de um ângulo privilegiado todo o percurso:

Já o segundo é um vídeo do canal Bike & Places, do nosso parceiro Durval, que mostra os bastidores do pedal que fizemos até o verdadeiro Paraíso Perdido, vale a pena conferir! Não se esqueça de se inscrever no canal:

 

E aí, você já conhecia todas as opções de locais para banho em Itatiaia? Sabia do verdadeiro Paraíso Perdido? Lembrou de algum detalhe importante que deixamos passar aqui? Conte pra gente nos comentários!

 

Ficha técnica

Altimetria (ida)

Bike recomendada: MTB / SPEED

Terra: 500m

Asfalto: 7km

Quilometragem total: 7,5km (ida)

Ganho de elevação: 281m

Exposição ao Sol: MÉDIA

Nível: INICIANTE Atrações: Paredão; Conora; Paraiso Perdido

 

Nos siga nas redes sociais:


Instagram: instagram.com/biketouragulhasnegras

Facebook: facebook.com/biketouragulhasnegras Strava: http://strava.com/clubs/biketouragulhasnegras

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCZNBvczIamsQZ6W_JY3ZmOw






122 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo