Roteiro: Vale das Flores x Mirantão

Que os vales da região de Visconde de Mauá são um prato cheio para quem deseja pedalar em meio à natureza, isso quem segue o nosso site já sabe. O que talvez poucos saibam é que alguns desses vales servem também de caminho para lugares igualmente incríveis. É o caso do Vale das Flores, que além de ser uma atração por si só, ainda serve de caminho para a vila de Mirantão (Bocaina de Minas), lugar encantador de muita beleza natural e cultural. Nesse roteiro você vai ficar por dentro de todos os detalhes desse pedal perfeito para quem quer se desconectar do mundo por algumas horas. Confira!

 

Para chegar ao início do Vale das Flores é preciso primeiramente percorrer todo o Vale do Alcantilado, caminho cheio de atrações e que já descrevemos em detalhes em um outro roteiro. Então, aqui vai um resumo: partindo da sede do Parque Estadual da Pedra Selada, no centro da vila de Visconde de Mauá, siga em direção à Maringá pelo asfalto por cerca de 3,5km até avistar a placa que indica a saída para o Vale do Alcantilado à direita. Atravesse a ponte e vire à direita mais uma vez, seguindo pela estrada de terra por mais 3,5km até a bifurcação onde o caminho à esquerda te levaria ao Sitio Cachoeiras do Alcantilado e à direita leva ao Vale das Flores.

Bifurcação que levaria ao Sitio Cachoeiras do Alcantilado à esquerda.

Mantendo-se à direita nessa bifurcação, pouco depois você irá passar por uma pequena ponte, a partir da qual estará oficialmente pedalando pelo Vale das Flores. Este vale é marcado pelas lindas paisagens, pousadas e restaurantes, um visual que compensa as poucas subidas mais íngremes que você terá que enfrentar.

Pousadas ao longo do Vale das Flores
Prepare-se para algumas subidas

Não vai demorar para você começar a ver placas indicando a distância e a direção até a principal atração desse vale, a Cachoeira das Antas, cujo acesso fica em uma saída à esquerda, a pouco mais de 3km após à bifurcação do Alcantilado.

Placas para a Cachoeira das Antas pelo caminho
Atenção à sinalização para não passar direto
Saída à esquerda para a Cachoeira das Antas

Após seguir as placas e sair da estrada principal em direção à cachoeira, você terá que enfrentar uma subida de 650 metros até avistar o portão que dá acesso à propriedade onde ela se encontra. Atenção para as instruções presentes em uma das placas, que inclusive indica o horário de funcionamento.

Subida para a Cachoeira das Antas
"Sorria, você está na Cachoeira das Antas"
Aberto de terça a quinta de 10:00 às 17:00

Passado o portão, você irá descer por uma pequena trilha seguindo o barulho das águas até avistar a linda cachoeira. O legal desse lugar é que você pode seguir pela margem do rio passando por vários pontos para banho, um cenário realmente muito bonito.

Alimento pra alma
Cachoeira das Antas
Tem um ciclista nessa foto...
Bons pontos para banho rio abaixo

Despois de fazer o caminho de volta à estrada principal e continuar por ela por mais 850 metros, passando por belas propriedades rurais, você irá chegar ao famoso Restaurante da Leila, lugar bonito e aconchegante, com ótimas opções no cardápio e wi-fi liberado, uma verdadeira parada obrigatória.

A pressa é inimiga da contemplação
Chegada ao Restaurante da Leila
Ponte que dá acesso ao Restaurante da Leila
Pensa num lugar convidativo
Tem pra todos os gostos

Continuando pela estrada, você irá percorrer cerca de 4,5km até chegar ao importante trevo onde à direita seguiria de volta para Visconde de Mauá, passando pela famosa Ponte dos Cachorros, enquanto à esquerda você seguirá para o seu próximo destino, o centrinho do distrito de Mirantão, cujo território você na verdade adentrou logo que saiu do asfalto no início do passeio. É nesse trevo que o Vale das Flores termina, diga-se de passagem.

Deixando o Restaurante da Leila pra trás.
Seguindo em direção ao trevo de Mirantão
Trevo onde você deve virar à esquerda para seguir para Mirantão
Placas mostrando de onde você terá vindo e pra onde vai

Nos próximos dois quilômetros você terá que fazer algumas subidas mais íngremes até avistar uma bifurcação onde o caminho à direita te levaria para a região de Rio Preto. Mantenha-se à esquerda nesse ponto.

Subidas mais difíceis ao se aproximar de Mirantão
À direita Rio Preto, à esquerda, Mirantão

Dessa bifurcação até o centro da vila são apenas mais um quilômetro. Basta se manter sempre à direita até chegar a uma praça, de onde é possível avistar uma subida bastante íngreme que leva à icônica Capela Bom Jesus dos Pobres, vale a pena aceitar o desafio de "zerar" essa subida!

Desafio aceito!
Trave a suspensão, incline o tronco pra frente sem levantar e mantenha o ritmo!

Ao final da subida você poderá aproveitar uma vista panorâmica da vila, assim como a oportunidade de ver de perto uma das igrejas mais antigas da região. Faça uma pausa para recuperar as energias para o maior desafio do passeio, que te aguarda logo a seguir.

Chegada à Capela Senhor Bom Jesus dos Pobres
Bonita vista da vila a partir da capela
Capela Senhor Bom Jesus dos Pobres

Não dá pra falar de Mirantão sem falar de sua principal atração, o complexo da Cachoeira da Prata. O início do caminho até lá é uma rua à direita da praça principal por onde você chegou, basta procurar pela placa que incentiva os visitantes a conhecer o lugar, conforme abaixo:

Placa indicando a direção para a Cachoeira da Prata

Os próximos quilômetros são os mais difíceis de todo o percurso, serão aproximadamente 3km de subida ininterrupta e bastante íngreme em estrada de terra, então prepare o psicológico. O consolo é a paisagem, marcada pela imponente presença da Pedra da Prata, a qual você terá que contornar.

Impossível não se impressionar com essa formação rochosa
Se tiver que empurrar, empurre, pois vai valer a pena!

Ao final da subida você será presenteado com uma linda vista do vale antes de chegar à entrada da propriedade onde se encontram AS Cachoeiras da Prata. Isso mesmo, são mais de uma, quatro pra ser exato. É cobrada uma taxa para ajudar na preservação do local, que na última vez que fomos estava em 15 reais.

Vista do alto da serra
Entrada para as Cachoeiras da Prata

O local possui restaurante, lanchonete e banheiros à disposição e o acesso às cachoeiras é bastante fácil. Você pode deixar as bikes encostadas antes de começar a fazer a trilha, não vale a pena tentar levar.

Caminho dentro da propriedade até as cachoeiras
Banheiros à disposição
Hora de deixar as bikes esperando

Ao descer pela trilha você irá passar bem ao lado da primeira cachoeira e poderá contemplá-la por inteiro ao chegar a um bar de frente para a cachoeira número dois, a melhor para quem deseja dar um mergulho.

Cachoeira número 1
Cachoeira número 2, a melhor para banho
Quem aí curte a "água que passarinho não bebe"?!

O acesso às outras duas cachoeiras fica à esquerda de quem está de frente para a cachoeira número dois, descendo por degraus íngremes, se apoiando em corrimãos de bambu. A terceira cachoeira é a maior do complexo e a quarta fica logo abaixo, vale muito a pena ver de perto!

Cachoeira número 3, a maior do complexo
Marcamos presença!
Cachoeira número 4

No caminho de volta, existe a possibilidade de seguir reto no trevo onde onde você seguiria à direita pelo Vale das Flores, porém saiba que é um caminho com subidas bastante desafiadoras e sem muitos motivos turísticos para fazê-lo. Se optar por esse caminho você irá chegar de volta no asfalto após passar pela Ponte dos Cachorros, onde deverá virar à direita e seguir até Visconde de Mauá, passando pela temida Subida do Gragoatá. Portanto, nossa recomendação é que retorne pelo mesmo caminho por onde veio.

Reto em direção à Ponte dos Cachorros e à direita para voltar por onde veio.

Para terminar, pedimos que assistam ao vídeo abaixo, produzido pelo canal Bike & Places, que mostra como foi a nossa aventura para para desbravar essa região e coletar todas essas informações pra vocês!

 

Resumo


A partir da sede do Parque Estadual da Pedra Selada, percorra 3,5km pelo asfalto até virar à direita e seguir por 12km mantendo-se sempre à direita até chegar no trevo onde o Vale das Flores termina. Nesse caminho você terá passado também por todo o Vale do Alcantilado e pela Cachoeira das Antas. No trevo vire à esquerda e depois mantenha à esquerda na próxima bifurcação para chegar à vila de Mirantão. A partir da qual você poderá seguir até as Cachoeiras da Prata a 3,7km de distância.

 

Considerações finais

Esse é um passeio que se feito com calma pode levar todo o dia, então nossa recomendação é que saia bem cedo para poder fazer tudo com calma. Não tente conhecer as atrações do Vale do Alcantilado no mesmo dia, pois elas são muito demoradas.


O que você achou de mais essa opção de roteiro pela região de Visconde de Mauá? Já conhecia tudo que foi mencionado aqui? Sabe de mais algum detalhe importante que deixamos passar? Conte pra gente nos comentários!

 

Ficha técnica

Altimetria (ida)

Bike recomendada: MTB

Terra: 19,3km

Asfalto: 3,5km (ida)

Quilometragem total: 22,8km

Ganho de elevação: 552m

Exposição ao Sol: ALTA

Nível: AVANÇADO Atrações: Cachoeira das Antas; Capela Senhor Bom Jesus dos Pobre; Cachoeiras da Prata

 

Nos siga nas redes sociais:


Instagram: instagram.com/biketouragulhasnegras

Facebook: facebook.com/biketouragulhasnegras Strava: http://strava.com/clubs/biketouragulhasnegras

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCZNBvczIamsQZ6W_JY3ZmOw






31 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo