top of page

Roteiro: PNI - Circuito Montserrat

A Parte Baixa do Parque Nacional do Itatiaia, que de "baixa" não tem nada", com sua estrada principal culminando à 1100 metros de altitude e suas trilhas repletas de cachoeiras e mirantes que chegam a até 1800m, é um dos lugares mais incríveis do Brasil para quem curte pedalar em meio à natureza. Nesse roteiro você vai conhecer em detalhes um conjunto de trilhas situadas nessa parte do parque, composto inclusive por algumas de single track, que juntas formam um circuito que recebe o nome de Montserrat. Ao final você conta inclusive com um vídeo produzido pelo canal Bike & Places mostrando os melhores ângulos desse pedal!

 

Seu primeiro objetivo assim que começar a pedalar será chegar até a portaria da parte baixa do Parque Nacional do Itatiaia, que fica a exatos 6,5km de distância da Graal Itatiaia, ou a 4,7km da rodoviária de Itatiaia. Caso você precise de uma explicação mais detalhada desse trecho inicial, recomendamos que leia nosso roteiro chamado "PNI-Parte Baixa", mas lembre-se que também disponibilizamos aqui neste artigo botões com a rota no Strava, que você pode seguir para ter certeza de que não irá se perder ;)

Graal Itatiaia, possível ponto de partida
Rodoviária de Itatiaia, outro possível ponto de partida
Portaria da parte baixa do PNI

Se você é morador de uma das cidades do entorno do parque, não se esqueça de levar comprovante de residência para conseguir um bom desconto no ingresso. Você pode consultar os preços atualizados clicando aqui. Passando pela portaria, você terá que subir 2,3km pelo asfalto até chegar no Mirante do Último Adeus, sua primeira atração. Vale a pena subir os poucos degraus para apreciar a belíssima vista e pegar um fôlego antes de cair na trilha.

Chegada ao Mirante do Último Adeus
Mirante do Último Adeus

Logo depois do mirante, literalmente, você verá uma placa do lado esquerdo da estrada que indica a saída para a primeira trilha do circuito, a Trilha Vinícius de Moraes. Os primeiros metros são de uma descida bastante íngreme, portanto, se você não tem prática nesse tipo de coisa, empurre ou vá com bastante cautela. Mas é só no início mesmo, para dar aquele friozinho na barriga.

Saída do asfalto para o circuito, logo depois do mirante
Início do Circuito Montserrat

Primeiro você irá percorrer um trecho de single track muito bonito por entre a mata, até passar por uma construção abandonada, seguida de uma ponte, onde desse ponto em diante o caminho é mais largo, por se tratar de uma antiga estrada.

Trilha Vinícius de Moraes
Muita história ao longo do caminho
Ponto a partir do qual o caminho se alarga

Seguindo em frente você irá passar por um prédio utilizado pela administração do parque (mantendo-se à direita) e em seguida pela Casa do Pesquisador 1, que como o próprio nome sugere, é utilizada como hospedagem por pesquisadores que visitam o parque, um bom lugar reagrupar com a galera antes de prosseguir.

Mantenha-se à direita ao passar por esse prédio
Continuando em direção à Casa do Pesquisador 1
Casa do Pesquisador 1

Continuando, você avistará uma placa que indica a continuação do circuito seguindo em frente. Nesse ponto há um caminho à direita que te levaria à Sede Administrativa do Parque e de volta à estrada principal (asfalto). Mantenha-se à esquerda, portanto. Até esse ponto você terá percorrido cerca de um quilômetro de trilha.

Mantenha-se à esquerda para permanecer no circuito

O próximo ponto de referência no caminho será a Casa do Pesquisador 2, que fica logo após mais uma ponte de madeira. Pouco depois você irá avisar do seu lado direito alguns quiosques, onde também há banheiros à disposição.

Ponte pouco antes da Casa do Pesquisador 2
Casa do Pesquisador 2
Quiosques com banheiro à direita

A subida que começa logo ao lado dos quiosques é a mais inclinada de todo o circuito, então ao avistá-la já trate de colocar na marcha certa e travar as suspensão. Ao final da subida você verá alguns degraus à sua direita e uma placa indicando que eles seguem em direção ao Centro de Visitantes, esse é o caminho que você terá que fazer para dar continuidade ao circuito, mas calma, antes disso você precisa conhecer as principais atrações desse passeio seguindo em frente.

Força nas canelas!
Degraus com corrimão à direita, logo no final da subida
Siga em frente para conhecer as cachoeiras

A primeira dessas atrações estará logo à sua frente à esquerda, trata-se do Lago Azul, que pode ser acessado descendo alguns degraus, uma paisagem singular composta pelo poço natural e pela ponte que passa sobre ele, a qual você deverá atravessar em seguida para continuar o passeio.

Chegada ao Lago Azul
Local ideal para banho
Lago Azul, uma das atrações mais antigas do parque

Hora de passar por cima da ponte do Lago Azul e seguir em direção às próximas duas atrações, o Poço Espelho do Céu e a Cachoeira Itupi. Todo esse caminho a partir da ponte do lago, até pouco tempo atrás era parte de uma propriedade particular, de modo que os visitantes do parque não tinham acesso, mas recentemente a propriedade foi incorporada e agora temos o privilégio de ir pedalando ou caminhando até esses lugares lindos.

Rumo às novas atrações do parque
Passando por cima do Lago Azul

O caminho que se segue, de cerca de um quilômetro é uma mistura de paisagismo natural e artificial, o que acaba por criar uma experiência bastante marcante e agradável aos olhos.

Rumo à Cachoeira do Itupi
Caminho bem sinalizado
Beleza por todos os lados

Após pelo corredor de arvores da foto acima, você chegará ao Poço Espelho do Ceu, acessado a partir de uma pequena trilha à direita. Descer com a bike pode ser um pouco complicado, então talvez seja melhor deixar elas esperando um pouco no início da descida.

Saída para o Poço Espelho do Céu
Melhor descer a pé
Chegada ao Poço Espelho do Céu

Ao chegar no lugar, caso o dia seja de céu azul você logo irá entender o porquê do nome. Trata-se de um enorme poço natural de águas calmas, onde a vontade de mergulhar é irresistível!

Que lugar!
Tem que molhar o pé pelo menos
Vale a pena explorar o rio um pouco mais acima do poço

De volta ao caminho principal, continue subindo em direção à cachoeira. Em determinado momento você verá o que parece ser uma fortaleza, mas que na verdade é apenas um antigo canil, por incrível que pareça.

Alguém já havia visto um canil como esse?

Pouco depois você terá que passar por um caminho de pedras cercado de flores que marca a chegada à principal atração desse passeio, a Cachoeira do Itupi. Primeiramente você verá o telhado de uma casa construída bem em frente à cachoeira (imagine ter um quintal como esse!)

Início do último trecho antes da cachoeira
Será necessário empurrar um pouco
Quando você ver esse telhado, significa que chegou
Casa dos antigos donos da propriedade

Existem dois acessos à cachoeira, um descendo as escadas bem ao lado da casa, e outro mais à esquerda da casa, de onde inclusive é possível ter uma vista privilegiada da queda d'água antes de descer. Não deixe de explorar os arredores do lugar para não perder nenhum detalhe.

Descida principal ao lado da casa
Que quintal em!
A cachoeira fica a 885 metros de altitude
O esforço terá valido a pena
Segundo acesso à cachoeira

A cachoeira em si possui um formato bem diferente das que estamos acostumados a ver aqui na região, um único e potente filete de água, como se fosse uma grande torneira aberta. Aos seus pés forma-se um poço ideal para banho, que para acessar você terá que caminhar por entre as pedras, portanto, cuidado.

Melhor ir sem a sapatilha ou tênis
Cachoeira Itupi. É maior do que parece na foto!

Após conhecer a cachoeira, será hora de retornar ao Lago Azul para dar continuidade ao Circuito Montserrat propriamente dito, que ainda reserva boas surpresar na sua segunda metade. Para isso, suba pelos degraus ao lado da placa em frente ao lago, que indica a direção para o Centro de Visitantes. Serão apenas alguns metros até você poder pedalar novamente.

Suba os degraus para continuar o circuito

A partir desse ponto você estará pedalando mais uma vez em uma trilha single track compartilhada com caminhantes, por esse motivo, para a segurança de todos, é que este sentido é o único permitido para bikes, ou seja, subindo, nunca descendo.

Subindo em relação ao Centro de Visitantes

Pouco depois você avistará uma escadaria à esquerda, a qual você deverá ignorar enquanto continua pedalando pelo caminho à direita, uma trilha de 430 metros conhecida como "Trilha de Observação de Passaros", um ziguezague um pouco mais técnico, com curvas fechadas e raízes, sempre subindo, ótimo para quem quer praticar esse tipo de terreno em um local seguro.

Início da Trilha de Observação de Passaros
Hora de pedalar entre a mata mais uma vez
Um trecho um pouco mais técnico

Os últimos metros dessa trilha são difíceis de fazer pedalando, você provavelmente terá que empurrar um pouquinho até chegar aos degraus que você deverá subir à direita, para então pedalar mais um pouco até o Centro de Visitantes.

Suba os degraus ao final da trilha
Último trecho antes do Centro de Visitantes