top of page

Roteiro: Cachoeiras da Serrinha

A Área de Proteção Ambiental (APA) da Serrinha do Alambari, em Resende, privilegiadamente localizada entre o Parque Nacional do Itatiaia e o Parque Estadual da Pedra Selada, possui algumas das cachoeiras e poços mais bonitos do Brasil! Nesse roteiro você vai encontrar todas as informações que precisa para conhecer cada um desses atrativos turísticos da melhor maneira, pedalando! Leia até o final e surpreenda-se!

 

O ponto de encontro mais comum para esse pedal é o Shopping do Esquilo, em Penedo, uma vez que todos os ciclistas vindo de qualquer uma das quatro cidades da região terão que passar por ali, mas caso você esteja vindo do centro de da colônia, poderá encontrar com a galera no Portal de Penedo, na rotatória em frente ao letreiro "Eu Amo Penedo".

Portal de Penedo

Do Shopping do Esquilo até o Portal de Penedo serão pouco mais de 2 quilômetros pela RJ-163, sentido Visconde de Mauá. Desse ponto até o Pórtico da Serrinha, serão mais 5km pelo asfalto, na mesma estrada.

Pórtico da Serrinha do Alambari

A partir do Pórtico da Serrinha serão mais 4 quilômetros até a praça central da vila. No caminho até lá existem locais para banho de rio, igrejas históricas e a famosa Pedra Sonora. Todos esses atrativos, assim como os detalhes do caminho desde Penedo nós já descrevemos em um roteiro específico chamado Penedo x Serrinha do Alambari, que você pode conferir clicando aqui. Nosso foco neste artigo será o caminho até os atrativos turísticos que existem subindo pela estrada à direita da praça central da localidade.

Pedra Sonora

Seguindo por esse caminho, você irá pedalar por um trecho pavimentado com bloquetes antes de começar a girar na terra novamente, sempre subindo. Serão pouco mais de 3 quilômetros por lindas paisagens e muita natureza por todos os lados até você chegar na primeira parada, uma ponte sobre o Rio Pirapitinga.

Inicio da subida à direita da praça
Muita subida pelo caminho
Ponte sobre o Rio Pirapitinga

Sob essa ponte há um poço ideal para banho, com algumas pequenas quedas d'água, um lugar realmente muito bonito, mas apenas uma pequena amostra do que te espera estrada acima.

Rio Pirapitinga
Difícil resistir à tentação de entrar na água

Subindo por só mais alguns metros depois dessa ponte, você irá avistar um grande totem preto e branco que marca a sua chegada ao Camping Clube do Brasil. Na portaria você pode obter informações sobre o lugar e comprar o ingresso para passar o dia ou acampar, que gira em torno de 35 reais por pessoa.

Seguindo em direção ao camping
Portaria do Camping Clube do Brasil
Totem do Camping Clube do Brasil

Também na portaria existe um ótimo restaurante que serve café da manhã e almoço, além de acesso à internet, chamado Cantina CBB. O restaurante funciona de forma independente do camping, pagando apenas pelo que consumir.

Parede lateral da Cantina
Cantina CCB

Nos arredores da cantina você pode inclusive observar facilmente alguma espécies de aves característica dessa região, como o Sanhaço de Encontro Amarelo e o Ferro Velho, por exemplo. Se você curte observação de pássaros, não deixe de seguir nosso projeto paralelo a esse respeito, o Aves das Agulhas Negras.

Observação de Aves na Cantina do CCB

Dentro das dependências do Camping existem diversos poços e cachoeiras, além de muita natureza para observar. Logo do lado direito após passar pela portaria você já encontra uma escadaria que dá acesso a um desses lugares, o Poço de Cima, ideais para banho.

Placas indicando a direção para o primeiro poço

Descendo em direção ao Poço de Cima
Poço de Cima

É possível seguir pedalando por toda a área de camping da propriedade, até chegar ao início das trilhas. Só não vá muito rápido, para pode apreciar toda a exuberância do lugar, um verdadeiro paraíso!

Área de estacionamento do camping
Descendo em direção às trilhas
Imagina pedalar em uma paisagem dessas

Chegando ao início das trilhas, hora de deixar as bikes encostadas e seguir a pé, pois o caminho possui muitos obstáculos e uma grande inclinação. A trilha em si é curta, com algumas bifurcações que levam a diferentes atrações. Nossa recomendação é que você sempre siga diretamente para a principal delas, o Poço das Esmeraldas, pois quanto mais cedo chegar nesse lugar melhor, se quiser tê-lo "só pra você" ;) Deixe para conhecer os demais poços e pontos de interesse no caminho de volta.

Placa que marca o início das trilhas
Hora de deixar a bike para trás

Depois de alguns minutos descendo pela trilha você irá chegar à joia desse lugar, o Poço das Esmeraldas, que leva esse nome devido à cor da sua água. É um poço pequeno, daí a importância de se programar para chegar nesse lugar o mais cedo possível, antes que encha de turistas.

Poço das Esmeraldas
Lugar para relaxar

No caminho de volta da trilha, aproveite para conhecer os demais atrativos, como o Poço Dourado e a Confluência, que é o ponto em que o Rio Santo Antônio e o Rio Pirapitinga se encontram, vale muito a pena.

Poço Dourado
Confluência do Rio Santo Antônio com o Rio Pirapitinga

De volta à estrada, hora de continuar subindo em direção ao complexo que possui as mais bonitas cachoeiras e poços de toda a região, sendo a atração principal o Poço do Céu. Há uma placa próxima à portaria do Camping indicando o caminho.

Início da subida para o Poço do Céu

Serão apenas 2 quilômetros até alcançar o destino final dessa aventura, mas acredite quando dizemos que serão os 2km mais longos que já viu. A inclinação e o cumprimento de algumas das subidas irá te surpreender. Esteja preparado para fazer força e não tenha vergonha se precisar empurrar a bike em algum momento, vai valer a pena!

Força nas canelas!

Se serve de consolo, é óbvio que a paisagem serve de estímulo e calmante em meio ao máximo esforço físico, é sem dúvida uma das estradas mais bonitas pela qual já pedalamos.

É "cala a boca" que chama né?!
Que lugar lindo!

No caminho, fique atento às placas para não perder tempo entrando em ruas sem saída. Mais ou menos na metade do caminho você irá passar por um portão escrito "Alto do Pinhal" e "Vale Verde". Devem ser nomes de condomínios, não sabemos, siga em frente.

Mantenha-se à direita nessa bifurcação
Passe por esse portal, mais ou menos na metade do caminho

Ao fim dos dois quilômetros de subidas íngremes você irá chegar ao portão que dá acesso à propriedade onde os poços estão. Do estacionamento será possível avistar uma casinha ao longe, onde fica a recepção, siga até lá pelo caminho de pedras à esquerda.

Portão de entrada da propriedade
Estacionamento e a recepção ao longe
Justo quando você pensa que acabou o esforço...

O lugar não tem nome, Instagram ou site, mas possui uma boa estrutura. Na recepção você encontra, além de informações, banheiro, água e internet à disposição. Deixe a bicicleta em algum cantinho e siga caminhando pela trilha que se inicia à esquerda da casa. A propósito, a entrada custava até a última vez que estivemos lá, 35 reais por pessoa, SOMENTE EM DINHEIRO. Em caso de dúvidas, você pode ligar para os telefones 21-98610-5898 ou 21-98753-0944.

Chegada à recepção
As bikes ficam por aqui
Aproveite para repor sua água

A experiência nesse lugar consiste em você fazer um circuito por trilhas que começam e terminam na portaria, passando por quatro poços/cachoeiras pelo caminho, sendo eles: Poço do Céu, Poço do Dinossauro, Poço da Turmalina e Poço da Laje, nessa ordem. A trilha até o primeiro e mais famoso poço, o do Céu, de pouco mais de 400 metros, é a parte mais fácil, podendo ser feita sem tirar a sapatilha ou tênis de pedal, se preferir, pois possui menos obstáculos e é menos inclinada.

Início do circuito, rumo ao Poço do Céu
Trilha bem cuidada pela administração do local

Ao chegar no poço, melhor ficar descalço para diminuir as chances de escorregar enquanto tenta se aproximar dessa maravilha da natureza! A beleza desse lugar é indescritível, quem já foi sabe que as fotos não fazem justiça.

Um lugar único!
Olha a cor dessa água
Poço do Céu
São dois poços, na verdade

Para continuar pelo circuito em direção ao próximo poço, siga pela margem do rio, do mesmo pelo pelo qual você chegou. Há uma corda para auxiliar no deslocamento. Tome sempre muito cuidado para não escorregar e fique atento às placas pelo caminho. Por falar em dica de segurança, aproveite que você estará de capacete e mantenha ele na cabeça durante todo o percurso ;)

Todo cuidado é pouco
Próxima parada, Poço do Dinossauro
Atenção às placas
Poço do Dinossauro à esquerda

O segundo poço do circuito, o Poço do Dinossauro, se caracteriza por ser o maior dos 4, sendo ótimo para o mergulho. A propósito, todos esses poços ficam no Rio Santo Antônio, o mesmo que mais a diante irá formar o Poço das Esmeraldas, dentro do Camping Clube, sobre o qual já falamos.

Vontade de pular dá, mas e o frio?! kkkk
Poço do Dinossauro
Curta o lugar, sem pressa

De volta à trilha, agora será hora de passar por um belo trecho de mata, enquanto segue em direção ao Poço da Turmalina. Acreditamos que esse nome se deve à cor de suas àguas que se assemelham à cor de uma pedra preciosa de mesmo nome.

Preste atenção nos detalhes pelo caminho
Rumo ao Turmalina
Descida para o Poço da Turmalina

O terceiro poço do complexo, o Turmalina, se caracteriza por suas águas azuis e é bem parecido ao do Dinossauro, porém menor. Depois que você visitar o lugar, volte aqui para nos contar se teve coragem de entrar nessas águas congelantes.

Poço da Turmalina
O verde e o azul se misturam
Turmalina visto de baixo

E finalmente, será hora de conhecer o último dos quatro poços, o da Laje, que leva esse nome ao fato de o rio nesse ponto correr por cima de uma grande pedra quase na horizontal. Há um poço raso, porém também muito bonito ao final.

Rumo ao Poço da Laje
A laje

Finalmente, depois de ter conhecido os quatro poços do complexo, será hora de percorrer o trecho final do circuito, que termina próximo ao estacionamento por onde você chegou (sim, vc terá que subir para pegar as bikes, que estarão lá em cima na recepção kkkk).

Seguindo em frente para concluir o circuito

No caminho de volta, tome muito cuidado com a velocidade e o excesso de confiança nas descidas íngremes da estrada de terra. Para concluir, pedimos que assista o vídeo a seguir, produzido pelos nossos parceiros do canal Bike & Places, que mostra os melhores momentos dessa aventura pelas cachoeiras de Serrinha do Alambari! Não se esqueça de se inscrever no canal.

 

Considerações finais


Conhecer os atrativos turísticos da Serrinha do Alambari pedalando é uma experiência incrível de imersão na natureza. Apesar de ser possível fazer tudo que apresentamos aqui em único dia, nossa recomendação é que reserve uma manhã para o Camping Clube e outra manhã para o complexo do Poço do Céu, buscando sempre chegar nesses lugares o mais cedo possível. Uma boa pedida é acampar no camping e aproveitar tudo que ele tem a oferecer, partindo no outro dia cedo em direção os poços estrada acima. De todo modo, é um pedal difícil, que exige um bom condicionamento físico, como o gráfico da ficha técnica abaixo deixa bem claro, então se prepare para tal.

 

Ficha técnica

Altimetria (ida)

Bike recomendada: MTB

Terra/Trilha: 9km

Asfalto: 7km

Quilometragem total: 16km (ida)

Ganho de elevação: 800m

Exposição ao Sol: Média

Nível de dificuldade: AVANÇADO Principais atrações: Poço das Esmeraldas; Poço do Céu; Poço dos Dinossauros; Poço da Turmalina

 

Nos siga nas redes sociais:







93 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page